Os bancos centrais hospedarão criptomoedas?

Bancos centrais adotarão criptomoedas

A chegada das criptomoedas ao ambiente global foi um golpe severo para a realidade para os bancos tradicionais que consideravam o dinheiro comum como mestres e senhores. Hoje, podemos ver que esse não é o caso, já que criptomoedas como o Bitcoin ganharam grande popularidade.

Isso nos leva a imaginar se os bancos centrais, em algum momento, estarão prontos para entrar no mundo das criptomoedas. Pois bem, aqui tentaremos desvendar esse mistério a partir de um estudo realizado pelo Banco de San Luis, um dos bancos regionais que compõem o Federal Reserve dos Estados Unidos.

O estudo

Como já dissemos, foi o Federal Reserve Bank de San Luis, um dos bancos regionais do Federal Reserve, o responsável por esta investigação. Seu objetivo era determinar como os bancos estavam preparados para abraçar as criptomoedas.

Os pesquisadores responsáveis ​​estudaram exaustivamente a estrutura e as políticas bancárias e de mercado para determinar se um banco central poderia ter sua própria criptomoeda. Isso os levou a conclusões muito interessantes sobre como a criptomoeda poderia mudar todo o jogo atual do dinheiro e seu uso.

Os bancos centrais estão preparados?

A estrutura do banco foi a primeira coisa a ser notada ao determinar como os bancos centrais estavam preparados para abraçar uma criptomoeda. De acordo com o estudo, os bancos têm diferentes classificações de moeda nas quais distribuem ativos como dinheiro e ouro.

Além disso, utilizam diferentes parâmetros que permitem avaliar cada ativo ou conceito para melhor determinar em que categoria colocá-lo. O achado, revelou que os bancos não têm parâmetros nem uma categoria na qual uma criptomoeda possa se encaixar.

Na verdade, Verificou-se que as moedas virtuais são muito difíceis de analisar pelo método convencional, pois não se enquadram nele ou se comportam da forma que todos conhecemos.Isso torna muito difícil classificar uma criptomoeda em um Banco Central, pois força a criação de um modelo totalmente novo para seu estudo.

bancos

Características que dificultam seu uso para Bancos Centrais

De acordo com o estudo, existem 3 características das criptomoedas que colocam os bancos em cheque:

  • Propriedade: Basta ter um lingote de ouro ou algumas notas em mãos para comprovar que é o dono desse bem. Com as criptomoedas, não há nada físico para apoiar a posse da moeda.
  • Apoiar: O dinheiro tradicional é sustentado por outro ativo de menor desvalorização como o ouro, por outro lado, as criptomoedas não têm esse tipo de suporte, o que gera um conflito na hora de definir seu valor.
  • Liquidez: Finalmente, as criptomoedas não funcionam da mesma forma que o dinheiro convencional portanto, se houver necessidade de liquidez, eles não podem mais ser impressos, nem podem ser retirados de circulação.

Como os bancos centrais classificam as criptomoedas?

Na verdade, não há como eles classificá-los, uma vez que estes Eles têm uma natureza diferente para dinheiro fiduciário, para títulos de crédito, para dívidas, para ouro e também para prata. É por isso que as criptomoedas são tão únicas que exigem sua própria classificação.

Suas características, a forma como operam, o uso da tecnologia Blockchain para sustentar as operações e até mesmo sua volatilidade fazem das criptomoedas um objeto separado. Os bancos centrais têm tentado criar modelos que permitam seu estudo, mas sua própria natureza o torna difícil.

Bancos centrais e criptomoedas?

Tornou-se evidente que os bancos centrais de vários países estão de olho no mundo das criptomoedas. Um exemplo perfeito é o Cryberyuan, a moeda virtual criada pelo Banco Central da China que está prestes a chegar ao mercado, o que mostra o interesse que países do mundo todo pelas criptomoedas têm pelo seu potencial valor de mercado, e também pelo seu papel estratégico. Assim como a China, outros países estão considerando incluir criptomoedas em sua estratégia monetária.

Segundo pesquisadores, para um Banco Central querer se aventurar nessa área, sem dúvida é uma má ideia. Isso por duas razões, a primeira é que Um Banco Central, por natureza, exerce controle e centralização de ativos, enquanto moedas virtuais operam de forma descentralizada.

A reputação dos bancos centrais e seu controle sobre as políticas monetárias e financeiras funcionam contra eles. Por outro lado, O custo de desenvolver uma criptomoeda pode ser muito alto, considerando a grande quantidade de recursos de tecnologia e hardware necessários para ter uma moeda virtual instalada e funcionando.

bancos

O que vem para o futuro?

Uma coisa é clara moedas virtuais têm sido uma resposta do mercado às novas necessidades e estilo de vida. Além disso, são uma indicação clara de que os mercados estão começando a se cansar do controle exercido por grandes instituições bancárias e bancos centrais, por isso é quase certo que as criptomoedas continuarão crescendo, tanto em uso quanto em valor e popularidade. . Haverá cada vez mais usuários de Bitcoin, assim como mais criptomoedas disponíveis para as pessoas começarem a migrar do dinheiro tradicional para o chamado dinheiro do futuro.

Na sua vez, Essa inércia levará os bancos centrais a agirem sobre o assunto, primeiro, realizando estudos aprofundados sobre criptomoedas para gerar informações suficientes. Depois disso, é provável que vejamos sua investida em criptomoedas, seja lançando seu próprio token ou gerando controle e regulamentações.

Para o momento, O primeiro passo já foi dado para os Bancos Centrais começarem a olhar as criptomoedas como uma oportunidade de investimento com o Cyberyuan. Portanto, é provável que, nos próximos anos, ou mesmo meses, tenhamos muito mais novidades como essa, principalmente se considerarmos que agora as empresas também estão buscando suas criptomoedas.

Eduardo lopez

Eu sou Eduardo López Martínez, nasci em Madrid, Espanha e tenho 48 anos. Sou jornalista e faço parte da equipe Brokersdeforexconfiables.com. Quer saber um pouco mais sobre mim? Convido você a ler minha biografia.

Editor e Copywriter

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.